O título explica tudo, não? São teorias cá do Ventura, bem-aventuradas (se os visitantes assim o quiserem) e, apesar de paranóicas, até farão algum sentido. E...na pior das hipóteses, pelo menos darão para sorrir.

onsdag, desember 06, 2006

Análise textual 1 - ou "como escrever umas parvoíces ilógicas, mas sem erros ortográficos, gráficos ou de conteúdo"

Concebo o meu blog como uma "tasca alternativa", de ideias paranóicas que muito prezo - e já agora, que uso para expor as minhas frustrações, ao contrário de alguns "comentaristas" que aqui puseram os pés, que não tendo outra forma de se exprimir, usam o insulto fácil. Não uso este espaço enquanto executor das minhas funções profissionais, nem virei a usar. Se algumas pessoas gostam de, por detrás da cortina do "anonymous", mandar umas patacoadas sem nível algum e daí retiram prazer espiritual, então que seja. Mas que fique ciente de que essa voz ao céu não chega de certeza...
Passo a transcrever o "recado" de grande cariz literário... (e que me desculpem os meus alunos decentes que vierem aqui ler, pois não havia necessidade de levarem com tamanho mastodonte)
"Por acaso até NÂO!! Não têm muita graça, você foi professor do meu filho e deu-lhe 2 é um Panasca!! Não sabe dar aulas, o meu filho diz que você cheira mal da boca. E verdade?? Por isso é que os professores não têm qualidade, vêm pa Internet escrever porcarias sem jeito. Ainda acho que os professores é que são os verdadeiros pedófilos do país, tão sempre na NET...ADEUS ou VAI-TE EMBORA!!"
Para que, da próxima vez que resolver invectivar alguém o possa fazer com o máximo de correcção linguística, passo a apresentar as minhas correcções:
1- "não" é com til, não com acento circunflexo;
2- Não se usam dois pontos de exclamação apenas; ou um ou três;
3- A seguir a "deu-lhe 2" deve usar uma vírgula;
4- Para uma pessoa tão "erudita", não percebo a utilização de um vocábulo tão calão como "panasca";
5- Não se usam dois pontos de exclamação apenas; ou um ou três;
6- Na interrogação, deve ser "É" e não "E";
7- devia escrever "vêm para a " e não "vêm pa";
8- devia escrever "estão", do verbo "estar" e não "tão;
9- Não se usam dois pontos de exclamação apenas; ou um ou três;
Já agora, para uma "composição" ter valor, deve ter nexo e conteúdo. Passo a exemplificar os pontos onde falhou (ou "falhaste", pois creio mais que tenha sido um aluno a escrever esta obra de arte...)
1- "você foi professor do meu filho e deu-lhe 2 é um Panasca!! "
O facto de relacionar a avaliação do seu filho com as minhas opções sexuais é muito fraca e não vejo onde está a ligação. Se o tivesse avaliado com 1 seria o quê, bissexual?
2- "Não sabe dar aulas,"
Se eu sei dar aulas ou não é coisa que alguém com o tipo de formação que demonstra ter nunca na vida terá capacidade para avaliar, portanto...
3- "o meu filho diz que você cheira mal da boca"
Não estou a ver a relevância da minha saúde oral para o desempenho do seu filho...Aaaah...se calhar não pronuncio bem as palavras em Inglês, será? E, seja como for, problemas odontológicos à parte, seria preferível isso do que o "mau cheiro encefálico"...
4- "Por isso é que os professores não têm qualidade, vêm pa Internet escrever porcarias sem jeito"
Que grande critério de avaliação, sim senhor! E o "excelentíssimo doutor" está aqui a fazer o quê? Está na net, não está? E a escrever porcarias, certo? E sem grande jeito, convenhamos... Além do mais, qual é a ligação? Há outra vez uma exemplar falta de lógica na apresentação de um pseudo-argumento: então o facto de eu escrever uns textos afecta a minha capacidade pedagógica? Epá, espera lá, que vou já ali avisar os MILHARES de pessoas que fazem isto e também são docentes, tenho que lhes dizer que o Ensino vai entrar em colapso! E mais: quem é que lhe deu assi competências para avaliar a qualidade dos meus escritos? E está nas mãos destas pessoas colaborar na avaliação do Ensino... Mesmo que o que eu escrevo seja "sem jeito", não obrigo ninguém a ler, pois não?
5- "Ainda acho que os professores é que são os verdadeiros pedófilos do país, tão sempre na NET"
Nesta fase da análise, acho que não valerão a pena grandes comentários mais, mas, sinceramente, falar de uma questão tão séria fazendo uma acusação em que mede a saúde mental das pessoas pelo que escrevem na net...por favor! Sabe como dizem os americanos? "Get a life!" Algum recalcamento que anda por aí, será?
Li ainda alguns dos comentários que se seguiram a esta obra-prima. Não preciso de advogados de defesa, já que o trabalho que faço nas aulas é a minha maior defesa, mas até alguns alunos que por aqui passam se apercebem da falta de nível de quem escreveu estas barbaridades e de que, se a situação provem mesmo de um pai/encarregado de educação, se calhar podia era reflectir (e escrever sobre isso, já agora, pode ser que eu aprenda alguma coisa) acerca do seu contexto familiar, pois se calhar é aí que está a explicação para este desarranjo.
Já é mau um aluno não saber reconhecer o esforço que se faz para que ele ultrapasse as suas dificuldades, agora um adulto vir com estas teorias!...Se há coisa que não faço é avaliar levianamente; se há atitude que não tenho, é "desistir" de um aluno (a não ser em situações de extrema agressividade e constante provocação e mau-comportamento). Agora saber que histórias é que são contadas em casa, isso não posso saber. Cada um pinta o quadro que quer. Esteja à vontade...tenha é cuidado com as crianças, as suas e as dos outros, por causa da língua.

"Fadistagem" forever!


Gajada, Rouxinol Faduncho é o maior artista português de sempre e, quiçá, da actualidade. A sua pertinácia oral, o seu carisma visual e a sua musicalidade castiço-artesanal fazem dele um mito vivo neste panorama musical lusitano frequentemente tão aborrecido. E a sua luta ecológica em favor dos cães...de loiça? Isso sim, é usar a fama com objectivos solidários. Comprem comprem o novo cd deste homem. Não façam é "doniló" da net, como o próprio solicita no início do disco. Chama-se "Best On" (porque está ligado) e sucede-se a "Grandes Êxitos" (porque as canções têm todas de 2 minutos pra cima), o seu primeiro trabalho fonográfico. Esqueçam lá o Camané (a quem Rouxinol já ajudou, porque ele não chega aos pedais do carro...), esqueçam a Mariza (Rouxinol prefere a outra, a Cruz!), esqueçam inclusivamente o pseudo-fadista João Braga (coitado, parece que tem problemas na embraiagem quando tenta cantar...). Rouxinol é que é! Fadistagem forever!